Assim como no blog Fortaleza Nobre, vou focar no resgate do passado do nosso Ceará.
Agora, não será só Fortaleza, mas todas as cidades do nosso estado serão visitadas! Embarque você também, vamos viajar rumo ao passado!

O nome Ceará significa, literalmente, canto da Jandaia. Segundo o escritor José de Alencar, Ceará é nome composto de cemo - cantar forte, clamar, e ara - pequena arara ou periquito (em língua indígena). Há também teorias de que o nome do estado derivaria de Siriará, referência aos caranguejos do litoral.

.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Sobral - 242 anos de muita história!




A antiga rua Campelo, hoje leva o nome de Ernesto Deocleciano. Foto do blog Catafau


"Criado com a doação de 100 braças de terra da Fazenda Caiçara, propriedade do Capitão Antônio Rodrigues Magalhães e de sua esposa Quitéria Marques de Jesus (registro em cartório datado de 06 de dezembro de 1756), o município de Sobral teve sua elevação à cidade em 12 de janeiro de 1841 e à Vila Distinta e Real de Sobral,em 05 de julho de 1773,portanto a exatos 242 anos.Tem em todo esse tempo sua história respaldada no dinamismo de seu povo,famosos ou anônimos. Uma gente inquieta, que conseguira fazer desse torrão uma das mais importantes cidades do Nordeste. E no momento em que a cidade para pra comemorar seu aniversário,nada mais justo do que rememorar a trajetória de um de seus construtores: Ernesto Deocleciano de Albuquerque.
 

Ernesto Deocleciano nasceu em Aracati em 20 de março de 1841. Filho de Deocleciano Albuquerque Melo e Cândida de Saboia Albuquerque Melo. Fora trazido da 'terra de Paula Ney' aos 14 anos pelo tio, o Cel. José Saboia, que viria a ser seu sogro. Casou em 28 de janeiro de 1865 com Francisca Saboia de Albuquerque com quem teve 8 filhos. Na política, foi presidente da Câmara Municipal de Sobral, vice-presidente do Estado do Ceará,1895-1900. Ainda no primeiro governo Pinto Accióly, foi chefe político do Partido Conservador, continuando depois no governo Pedro Borges.
 

Fábrica de Tecidos Ernesto & Ribeiro - Começou a comercializar em casa, na antiga Praça do Mercado, depois denominada de Coluna da Hora e hoje leva o nome de um de seus filhos: Praça Dr.José Saboya

Antiga Praça da Coluna da Hora, hoje Praça Dr. José Saboya

Com uma veia comercial invejável, conseguiu prosperar rapidamente e em julho de 1895 inaugura a Fábrica de Tecidos Ernesto & Ribeiro, sociedade de Ernesto Deocleciano com o industrial maranhense Cândido Ribeiro, que depois de dissolvida a sociedade (as ações pertencentes a Cândido Ribeiro foram compradas por seu filho, Dr. Vicente Saboia),passa a chamar-se Fábrica de Tecidos Sobral

Estrada de Ferro de Sobral - A inauguração da Estação da Estrada de Ferro de Sobral em 31 de dezembro de 1882, marcou uma nova página na história política e econômica da 'Geórgia do Ceará'. Com a concessão pertencendo ao Industrial Ernesto Deocleciano de Albuquerque com a firma Albuquerque Saboia & Cia, num contrato com o governo imperial por 60 anos.
O interessante é que o Cel. Ernesto Deocleciano dera como garantia para o fechamento do contrato de exploração, 50 contos de réis em apólices da dívida pública, onde figurou durante muito tempo no final do século XIX como maior detentor desses papéis na Província, depois Estado do Ceará. 


Homenagem do Povo Sobralense - Como empresário de visão, fundou em Camocim a Firma Albuquerque & Cia, agência de companhias de navegação. Ainda era sócio da Firmas Saboia Albuquerque & Cia, de Natal - RN, concessionária da Estrada de Ferro de Mossoró. No Rio, então capital federal, era componente da Firma Humberto Saboia & Cia com os filhos: Humberto Saboia de Albuquerque e Dr. Vicente Saboia, sito a rua Buenos Aires nº50. Com um inventário tido como um dos maiores já vistos em toda a História de Sobral, o caixeiro que saiu de Aracati aos 14 anos e fez fortuna em Sobral, tem como gratidão do povo sobralense, seu nome perpetuado em importante logradouro público no Centro de Sobral, a rua Ernesto Deocleciano, antiga rua Campelo.
Faleceu aos 81 anos em 23 de novembro de 1922, e era tamanho o respeito que conquistara na cidade que todo o comércio cerrou as portas."

Texto: Santana Júnior


Bibliografia - AMARAL, Alberto. Para a História de Sobral, Rio de Janeiro -1953. MAGALHÃES. Plínio Pompeu de Saboia. Centenário de Nascimento do Dr.José Saboya de Albuquerque, revista da ASEL - Academia Sopbralense de Estudos e Letras, Sobral - agosto de 1971.