Assim como no blog Fortaleza Nobre, vou focar no resgate do passado do nosso Ceará.
Agora, não será só Fortaleza, mas todas as cidades do nosso estado serão visitadas! Embarque você também, vamos viajar rumo ao passado!

O nome Ceará significa, literalmente, canto da Jandaia. Segundo o escritor José de Alencar, Ceará é nome composto de cemo - cantar forte, clamar, e ara - pequena arara ou periquito (em língua indígena). Há também teorias de que o nome do estado derivaria de Siriará, referência aos caranguejos do litoral.

.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Jaguaruana


A data da sua Criação é 4 de Setembro de 1865. Foi instalada em: 4 de Março de 1866. Toponímia: Onça Preta.

Chamou-se primitivamente, Catinga do Góes, União e finalmente o nome atual. Suas origens remontam às primeiras décadas da segunda metade do Século XVIII, quando em 1771, D. Feliciana Soares da Costa, viúva de Simão de Góes, doou terras para construir a primitiva capela. Com essa doação, além da capela, geraram-se em torno de sua liderança precedentes gregários dos quais se formaria o Município de Jaguaruana. 



As primeiras notícias sobre a origem da formação da atual cidade de Jaguaruana datam de
1761, quando Dona
Feliciana Soares da Costa, viúva de Simão de Góis, fez doação de terras para constituírem o patrimônio da capela que mandara levantar sob a invocação de Nossa Senhora Santana.

A escritura foi lavrada no Cartório de Aracati, presumindo-se, todavia, que a capela tenha
sido erigida três ou quatro anos antes, em virtude de, em 1760, ter-se realizado ali o casamento do médico José Baltazar Augery.

Primitivamente, a localidade denominava-se Caatinga do Góis, pelo fato de ter pertencido a Simão de Góis o sítio ou fazenda onde se formou o arraial e depois povoação desse nome.
O distrito de paz foi criado pela Câmara Municipal de Aracati, em 1832, não sendo, porém, efetivado. Sobrevindo a execução do Código de Processo Criminal, promulgado a 29 de novembro de 1832, aquela Câmara, em sessão de 17 de maio de 1833, manteve o distrito de Giqui, criado anteriormente, no qual ficou compreendido o território do distrito de Caatinga do Góis, implicitamente suprimido. Em 1858, entretanto, a sede do distrito de paz foi transferida de Giqui para Caatinga do Góis.

Antônio José de Freitas, estabelecido no povoado desde 1846, primeiro subdelegado do
distrito policial, criado em 1862, fundou, nesse mesmo ano, uma sociedade civil denominada 
União, composta de 33 membros, que se propunha à luta pela emancipação da Caatinga do Góis. 

Em 1863 foi instituída a Freguesia de Santana, inaugurando-se em meio a grandes festividades, aos 31 de janeiro do ano seguinte.

O Município surgiu dois anos mais tarde com território desmembrado do de Aracati e com
o nome de União. Posteriormente passou a chamar-se Jaguaruana


O Distrito foi criado com a denominação de União, pela lei provincial nº 1083, de 04-12-1863, 
subordinado ao município de Aracati. 
Elevado à categoria de vila com a denominação de União, pela lei Provincial nº 1183, de 
04-12-1865, desmembrado de Aracati. Sede na antiga povoação de Catinga do Góes. Instalado em 04-03-1866. Elevado à condição de cidade com a denominação de União, pelo decreto estadual nº 66, de 
11-09-1890. 
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito 
sede. 
Pelo ato estadual de 21-08-1913, é criado o distrito de Passagem de Pedras e anexado ao
município de União. 
Pelo decreto estadual nº 1156, de 04-12-1933, é criado o distrito de Borges e anexado ao 
município de União. 

Praça da Matriz

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município União aparece constituído de 4 distritos: União, Borges, Giqui e Passagem de Pedras.
Assim permanecendo em divisões territoriais datadas 31-XII-1936 e 31-XII-1937. 
Pelo decreto estadual nº 448, de 31-12-1938, o distrito de Passagem de Pedras passou a 
denominar-se Itaiçaba
Pelo decreto-lei estadual nº 1114, de 30-12-1943, o município de União Tomou a denominação de Jaguaruana. 


No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município é constituído de 4
distritos: Jaguaruana (ex-União, Borges, Gigui e Itaiçaba). 
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1955. Pela lei estadual nº 3338, de 15-09-1956, desmembra do município de Jaguaruana o distrito de Itaiçaba. Elevado à categoria de município. Em divisão territorial datada de 1-VII-1960 o município é constituído de 3 distritos: 
Jaguaruana, Borges e Gugui. 
Pela lei estadual nº 6876, de 13-12-1963, é criado o distrito de São José e anexado ao 
município de Jaguaruana. 


Em divisão territorial datada de 31-XII-1963 o município é constituído de 4 distritos:,
Jaguaruana, Borges, Gigui e São José. 
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1997. 
Pela lei municipal nº 0279, 28-04-1998, é criado o distrito de Saquinho e anexado ao 
município de Jaguaruana. 
Pela lei municipal nº 287, de 24-06-1998, criado o distrito de Santa Luzia e anexado ao 
município de Jaguaruana. 
Em divisão territorial datada de 2001, o município é constituído de 6 distritos: Jaguaruana,  
Borges, Gigui, Santa Luzia, São José do Lagamar (ex-São José) e Saquinho
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007. 

Mercado Público

Alteração toponímica municipal 

União para Jaguaruana, alterado pelo decreto-lei estadual nº 1114, de 3-12-1943.
Evolução Política

Durante cerca de setenta anos, são escassas as referências sobre a evolução desse reduto, o que, entretanto, não exclui o seu crescimento que o colocaria em estágio de progresso. Com o advento da Lei Geral de 1830, que autoriza a criação de Distritos de Paz na Província, a povoação de Catinga de Góes figura no elenco das que seriam contempladas. Como forma de dar cumprimento ao disposto contido na Lei Geral, tem-se como instrumento de execução a Lei de 3 de dezembro de 1832, originária da Câmara Municipal do Aracati, ficando a instalação na dependência de autorização governamental. Essa autorização, no entanto, deixaria de ser expedida, considerando para tanto estar curada a capela da povoação, conforme se deduz de Ofício Presidencial datado de 23 de janeiro de 1833.

Igreja matriz Nossa Senhora Santana

Igreja: As primeiras manifestações de apoio eclesial datam do ano de 1761, quando da doação do patrimônio respectivo, feita por D. Feliciana Soares da Costa. Essa doação consta de escritura pública, lavrada no Cartório de Lázaro Lopes Bezerril, Tabelião do Aracati (06/10/1761). A capela, que terá sido edificada cerca de quatro anos antes do registro cartorário, a expensas de D. Feliciana, tem como padroeira Nossa Senhora Santana. Tem-se como instrumento de criação da Freguesia, a Lei nº 1.083, de 4 de dezembro de 1863, e canonicamente sacralizada a 19 de dezembro do mesmo ano. Consta como seu primeiro vigário o padre Alexandre Corrêa de Araújo Melo, natural do Aracati e empossado a 31 de janeiro de 1864.


Carnaval

O carnaval de Jaguaruana é sem dúvida a manifestação cultural que mais traz pessoas para o município. Onde os eventos mais tradicionais são: Mela-mela: é realizado na avenida e praça central do município, os festejos acontecem com bandas de axé, onde os foliões utilizam para sua diversão spray de espuma, farinha de trigo ou mesmo maisena. Festa no Rio Jaguaribe: acontece no período da manhã a beira do único rio que banha o município: O Rio Serafim, agitado por bandas de axé e as clássicas marchinhas carnavalescas no trio elétrico.
Em 2010 teve início a primeira micareta de Jaguaruana com o nome de Jaguar Fest.



Fontes: IBGE, http://www.ceara.com.br, Wikipédia, DB City.com e ajaguaruana

domingo, 14 de outubro de 2012

Cascavel


Rua principal de Cascavel do livro Terra Cearense 1925

Em 25 de fevereiro de 1694, DOMINGOS PAES BOTÃO e seu cunhado, JOÃO DA FONSECA FERREIRA, adquiriram uma DATA DE SESMARIA que denominaram SÍTIO CASCAVEL. A data de sesmaria era um pedaço de terra, às vezes de grande extensão, que o cidadão requeria ao Governo para plantar e criar. Botão e Ferreira habitavam o médio Jaguaribe, e perseguido pelos índios resolveram mudar-se para o litoral, onde não havia conflito entre os habitantes nativos (índios) e o colonizador português.

Rua Padre Valdevino

Foram estes dois homens - Domingos Paes Botão e João da Fonseca Ferreira, acompanhados de pequeno grupo de outros bravos pioneiros, os responsáveis pela primeira e real investida de colonização portuguesa das terras cascavelenses, por assentamento.

É verdade que outros aventureiros já haviam andado por aqui, mas não fizeram morada. Passaram realizando apenas o reconhecimento das terras, procurando saber se tinham boas condições de aproveitamento, se serviam para plantar e criar. Estes exploradores não se instalaram com suas famílias.


Barracões da rapadura e das frutas

Com Domingos Paes Botão e João da Fonseca Ferreira, porém, foi diferente. Eles aqui fixaram residência e permaneceram por algum tempo, até que transferiram suas terras para os parentes MANOEL RODRIGUES DA COSTA e sua mulher, FRANCISCA FERREIRA PESSOA, irmã de João da Fonseca Ferreira, construtores, em 1710, da Capela de Nossa Senhora do Ó.

Assim foi iniciada a colonização das terras de Cascavel. Mas, por que este nome? Por que CASCAVEL?

Certamente você vai gostar de saber como e por que os primeiros colonizadores puseram este nome, não? Logo o nome de uma cobra venenosa!

Por esta razão quiseram substituí-lo! Primeiro insistiram em São Bento, o santo protetor contra as picadas do perigoso ofídio. Não deu certo e, a não ser popularmente, jamais teve esta denominação, embora sua feira semanal, por alguns, ainda seja chamada de Feira de São Bento.


Matadouro Público

Também propuseram a mudança para Visconde do Rio Branco, Paranaguaçu e Piranji.

Como topônimo, isto é, como nome de lugar, Cascavel surgiu, oficialmente, pela primeira vez no Ceará, na sesmaria do citado Domingos Paes Botão e seu cunhado, João da Fonseca Ferreira.

Segundo seus mais antigos e idosos moradores, o nome teria surgido de viajantes e comboieiros, em suas travessias do Porto do Aracati para Fortaleza, ou vice-versa, que se arranchavam sob a copa de frondosos cajueiros existentes no meio da caminhada. Foi nesse local, antes mesmo da chegada de Domingos Paes Botão e João da Fonseca Ferreira, que algumas pessoas teriam encontrado um ninho de cobras cascavéis, ficando como ponto de referência para encontros, com a expressão "LÁ NA PARAGEM DA CASCAVEL" ou "LÁ NO NINHO DA CASCAVEL". Este fato teria levado os fundadores a adotar o nome de Sítio Cascavel para as suas terras.



Há quem afirme, porém, que o nome teria surgido por causa de uma cascavel que dava entrada à sesmaria de Manuel Rodrigues Bulhões e que seria ponto de encontro de comboieiros (hipótese mais provável). A cascavel é uma porteira de sítio, formada por dois mourões (estaca de madeira) perfurados, fincados no chão, distantes três ou quatro metros um do outro, com paus na horizontal, atravessando os furos dos dois lados, fechando a passagem.

Capela de Nossa Senhora do Ó em Cascavel - CE, tal como era 1859. Construção de pura alvenaria, típica do Ciclo do Gado. É sobremodo curiosa a ingenuidade dos calçamentos do frontão e do campanário lateral. Erguida em fins só século XVIII.

Evolução Política

Quase Século e meio decorrido sem que se alterasse o primitivo conceito de povoado, surgiu a Resolução do Conselho de Província, instrumento segundo o qual se deu sua elevação à categoria de Distrito (06/05/1833), constando sua instalação de 17 de outubro do mesmo ano. Sua elevação à categoria de Município ocorreu segundo Lei n° 2.039, de 2 de novembro de 1883.

O município de Cascavel localiza-se no litoral leste do Estado do Ceará, na Região Metropolitana de Fortaleza (desde 2009), constituída por 15 municípios.

Regionalização

Região Administrativa: 9

Microrregião de Planejamento: Litoral Leste/Jaguaribe

Mesorregião: Norte Cearense

Microrregião: Cascavel


Rua Direita e Praça da Matriz

Área

Cascavel ocupa uma extensão territorial de 837,421 km² (IBGE).

Posição geográfica

Latitude: 4° 07' 59" sul. São 459,3 km para o equador terrestre.

Longitude: 38° 14' 31" oeste.

Altitude

33,70m (nível do mar).

Ponto culminante: Serra do Brito – 246m.

Limites

Ao norte: Oceano Atlântico, Pindoretama e Aquiraz;

Ao sul: Beberibe e Ocara;

A leste: Beberibe;

A oeste: Pacajus, Horizonte e Chorozinho.

Distância da capital: 60 km pela CE-040 e 50 km em linha reta.

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH – 2000): 0,673.

Índice de Desenvolvimento Municipal (IDM – 2008): 34,94.

PIB per capta: R$ 5.537,00 (IBGE/IPECE 2008).

PIB anual: R$ 370.996.000,00(IBGE/IPECE 2008).


Igreja da Matriz com o Cruzeiro

População

De acordo com o senso demográfico de 2010 (IBGE), a população do município é de 66.142 habitantes, com uma densidade demográfica de 79 hab/km². Com situação domiciliar urbana 56.157 habitantes (84,90%), e rural 9.985 (15,10%). Sendo 32.887 habitantes homens (49,72%) e 33.255 mulheres (50,28%). Taxa de crescimento populacional 2000-2010: 1,48%. É o 19º município cearense mais populoso.

Gentílico: cascavelense

Eleitores

No município de Cascavel estão cadastrados 51.476 eleitores distribuídos em 165 seções eleitorais (TRE/CE, 2012).


Praça do Poço - atual Praça do Hospital

Distritos

Quando o Município de Cascavel foi criado, em 1833, era constituído por quatro distritos: Cascavel, Lucas (hoje Beberibe), Sucatinga e Pedro de Sousa. Depois foram criados outros distritos: Pitombeiras (1876), Guanacés (1890), Baixinha, depois Pindoretama (1894) e Jacarecoara (1910).

De lá para cá sofreu várias alterações. Atualmente, tem a seguinte composição: Cascavel (sede), Cristais, Guanacés, Jacarecoara, Caponga e Pitombeiras.

CRISTAIS

Localiza-se no extremo sul do município, a 78 km da sede e à margem esquerda do rio Pirangi. É cortado pela BR-116. Por abundância de minerais (cristais) que afloram no solo, os moradores batizaram o lugar com esse nome. É o mais jovem distrito de Cascavel. Foi desmembrado do distrito de Pitombeiras em 20 de maio de 1993.

GUANACÉS

Localizado a oeste do município, a 11 km da sede, foi criado em 20 de outubro de 1890. O lugar Bananeiras, em 1943, recebeu novo nome em homenagem aos índios Anacés, Guanacé e Wanacé que habitaram o Vale do rio Choró e o litoral cearense. Por duas vezes, em 1963 e 2009, a população mobilizou-se, sem sucesso, no processo de autonomia municipal. A CE-253 corta a sede do distrito. A indústria JBS – Couros está instalada entre este distrito e o município de Pacajus.


Praça do Mercado

JACARECOARA

Localiza-se a leste à margem esquerda do rio Choró, a 9 km da sede. Significa jacaré exposto (quarando) ao sol, alusão que os antigos moradores faziam aos jacarés que predominavam na foz do rio Choró. Foi criado em 25 de janeiro de 1910. Na praia da Barra Nova, no século XIX funcionou o Porto Cozinha ou Porto Pilão.

CAPONGA

Localiza-se ao norte, no litoral a 14 km da sede. Origem do Tupi Ka' á põga – pequeno lago de água doce formado no solo arenoso do litoral; ou linha de pescar com a bola na ponta, em vez de anzol (cf. : HOUAISS). O distrito de Caponga foi criado em 22 de novembro de 1951. Em 2009, a população mobilizou-se, sem sucesso, num processo de autonomia administrativa.

PITOMBEIRAS

Localiza-se no sul do município a 82 km da sede. No povoamento da região fazia-se referência a um "pé de pitombeira", lugar onde se arranchavam comboieiros e outros viajantes a caminho do sertão ao litoral. Foi criado em 25 de agosto de 1876 (Fonte: Cascavel Didático).


Câmara Municipal

Economia

O município era essencialmente agrícola até bem pouco tempo, situação que mudou com a implantação da Companhia Industrial de Produtos AlimentíciosCipa e da Cascavel Castanha de Caju Cascaju, empresa de beneficiamento da castanha de caju (importante item de exportação do Ceará), implantada pelo cascavelense Edson Queiroz e inaugurada em 1969.

Outras indústrias – setor secundário – de grande porte instalaram-se no município para o beneficiamento do couro: Bermas (1999-2007), Bracol (2007-2010), Eagle Ottawa (2007) e JBS – Cascavel Couros Ltda. (2011). Há também microempresários na confecção de roupas, que abastecem o mercado local, sul do país e até o mercado internacional. Há um grande incremento no setor terciário da nossa economia: comércio, bancos, escolas, administração, saúde. Lojas de eletrodomésticos, roupas e supermercados vêm incrementando o comércio no município.

Na fruticultura o município produz: abacaxi, abacate, acerola, ata, banana, cajá, caju, cana-de-açúcar, ciriguela, coco, goiaba, graviola, limão, mamã, manga, mangaba, maracujá, melancia, murici, pitomba, sapoti, tamarindo, entre outras.

O município produz ainda: milho, batata-doce, cera da palha da carnaúba, feijão, jerimum, macaxeira, mamona, mandioca e tem um representativo rebanho de bovinos, equinos, asininos, muares, suínos, caprinos, ovinos além da produção de leite, aves domésticas, frangos e ovos de granjas que abastecem outros mercados.

As praias, com hábeis jangadeiros, são abundantes em peixes de grande variedade, lagostas (segundo item de exportação do Ceará) e mariscos dos mangues.

Para o aproveitamento de alguns produtos, existem pequenas fábricas de aguardente, de farinha de mandioca e de rapadura. Os principais recursos minerais são o diatomito (fabricação de tijolo branco, tijolo industrializado com furos e telhas), o berilo o caulim (CASCAVEL DIDÁTICO, 2012). 



Rua Direita e o Prédio do Cinema

Artesanato e cultura

Visitando Cascavel não deixe de conhecer a Feira Livre de São Bento, segunda maior do Brasil, perdendo apenas para a de Caruaru no Pernambuco. Mais de 800 feirantes reúnem-se todos os sábados de manhã no centro da cidade. Lá você encontrará de tudo: do hortifrutigranjeiro a rapadura, da confecção a galinha viva, do eletrodoméstico ao artesanato local. Atualmente a prefeitura, em parceria com o BNB, está modernizando e padronizando as barracas da área destinada ao artesanato, mas com o tempo essa melhoria irá se estender a toda a feira.

O artesanato é um forte destaque de Cascavel. Na cidade, mais de 200 pessoas vivem da produção do artesanato de barro. No Sítio Boa Fé, distrito de Moita Redonda, 15 famílias produzem as mais variadas peças de cerâmica em uma técnica passada de pai para filho. As peças são vendidas em todo o Brasil e em países como Itália e Portugal. A família Muniz é uma das mais conhecidas, principalmente depois que passou a incrustar desenhos de renda nas peças. O barro utilizado como matéria-prima provém do rio Choró. O diferencial de qualidade nas peças produzidas em Moita Redonda, segundo contam, é o alisamento com a semente da Mucunã praticado pelos artesãos locais. Um dos frutos do artesanato da comunidade é a Orquestra de Barro, grupo musical formado só com instrumentos feitos do material.

Já na Comunidade da Bica, a arte é a confecção de móveis e objetos de decoração com o cipó-de-fogo. As peças são produzidas em sua maioria pelos homens, e o destaque na localidade é a família Silva. A atividade nasceu da produção de móveis e caçuás para os próprios moradores, e é hoje procurado por turistas brasileiros e estrangeiros. A produção inclui ainda jarros, objetos natalinos, porta-retratos, potes, luminárias, entre outros. O Polo de Artesanato de Cascavel está localizado no trevo da CE 040.

O casario colonial da cidade, datado do início do século passado, conta um pouco da história do próprio Ceará.



Fontes: Cascavel Didático - Edições Colégio Cascavelense e http://www.cascavel.ce.gov.br