Assim como no blog Fortaleza Nobre, vou focar no resgate do passado do nosso Ceará.
Agora, não será só Fortaleza, mas todas as cidades do nosso estado serão visitadas! Embarque você também, vamos viajar rumo ao passado!

O nome Ceará significa, literalmente, canto da Jandaia. Segundo o escritor José de Alencar, Ceará é nome composto de cemo - cantar forte, clamar, e ara - pequena arara ou periquito (em língua indígena). Há também teorias de que o nome do estado derivaria de Siriará, referência aos caranguejos do litoral.

.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Aratuba - Antiga Vila de Coité


Aratuba em 1945 - Arquivo Aratuba Online

Na serra de Guaramiranga, entre cimos e contrafortes com alguns vales mais ou menos profundos, de terra férteis, formou-se o núcleo populacional de Aratuba. Seu primitivo nome foi Coité, árvore da família das Bignomiaceas, produtora de fruto do qual serrando-se ao meio, se fazem cuias de muita utilidades doméstica. Chamou-se depois Santos Dumont, homenagem ao “PAI DA AVIAÇÃO”.

O Distrito foi criado com a denominação de Coité, pela lei provincial nº 2062, de 10-12-1883. Foi elevado à categoria de vila com a denominação de Coité, pelo decreto estadual nº 35, de 01-08-1890. Instalado em 16-08-1890. Pela lei estadual nº 550, de 25-08-1899, a Vila de Coité é extinta, sendo seu território anexado ao município de Baturité.
É elevado novamente à categoria de município com a denominação de Coité, pela lei estadual nº 602, de 06-08-1990, desmembrado de Baturité.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município aparece constituído de 3 distritos: Coité, Pindoba e Tope. Pelo decreto estadual nº 1156, de 04-12-1933, o município de Coité é extinto, sendo seu território anexado ao município de Pacoti. Pelo mesmo decreto-lei estadual é criado o distrito de Santos Dumont, com terras do extinto município de Coité e anexado ao município de Pacoti. 

Pracinha de Aratuba


Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o Distrito de Santos de Dumont figura no município de Pacoti. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Pelo decreto-lei estadual nº 1114, de 30-12-1943, o distrito de Santos Dumont passou a denominar-se Aratuba.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o distrito já denominado Aratuba permanece no município de Pacoti.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1955. 
Elevado à categoria de município com a denominação de Aratuba, pela lei estadual nº 3563, de 29-03-1957, desmembrado de Pacoti. Sede no antigo distrito de Aratuba. Constituído do distrito sede. Instalado em 31-03-1957.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede. 
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2003. 
Pela lei municipal nº 173, de 27-12-2001, é criado o distrito de Pai João e anexado ao município de Aratuba.

Em divisão territorial datada de 2005, o município é constituído de 2 distritos: Aratuba e Pai João.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.


Revista Aratuba Online


As terras nos arredores de Aratuba eram habitadas por índios de origem tupi-guarani, como os canindés.
Sua formação como núcleo urbano aconteceu lentamente a partir do século XVIII, com as catequeses dos jesuítas e com pessoas oriundas de Baturité e de outras regiões, notadamente do semiárido cearense, atraídos pelo clima e condições frutícolas.

Referindo-se a Aratuba, o historiador cearense Gustavo Braga disse: "Suas cachoeiras e sua paisagem bucólica são locais de lazer para uma profunda reflexão de vida".

Aratuba tem origem na língua tupi e significa "ajuntamento de pássaros", através da junção dos termos gûyrá ("pássaro") e tyba ("ajuntamento").


Os desfiles estudantis

Desfile estudantil da CNEC - Arquivo Aratuba Online

A CNEC (Campanha Nacional de Escolas da Comunidade) não criou os desfiles estudantis no município de Aratuba, mas o elevou a um patamar cívico popular. Historicamente, o primeiro desfile estudantil aconteceu no tempo da Escola Pública da Dona Júlia de Barros no 2º paroquiado de Pe. Gerardo Plácido Broders de agosto de 1928 a abril de 1930. Porém para muitas pessoas os desfiles de Aratuba terminaram quando a CNEC deixou de existir. Os desfiles bonitos e com aquela “rivalidade” CNEC e Escola Joacy onde ninguém queria ficar na “rabada” e cada um queria mostrar o melhor. Ajuntava multidões nas ruas da cidade. Fazia parte do contexto histórico da época à importância que os livros de história destacavam os atos heroicos e os personagens da história brasileira: D Pedro I e o grito do Ipiranga, a Princesa Isabel e a libertação dos escravos; alunos pintados de alcatrão chupando cana, representando a escravidão; Tiradentes e tantos outros pelotões. A pedagogia da CNEC era libertadora e paradoxalmente tradicional, ensinava o respeito, a cidadania e a moral mas como toda escola, tinha seus momentos difíceis motivados por comportamentos inadequados de alunos. Certa vez José Oscar sofreu para acalmar alunos que arrancavam flores do jardim e quebraram o filtro por causa das baixas notas de recuperação. Ao longo do tempo a CNEC foi acusada de ser politicamente esquerdista e não podia ser diferente, afinal seu padre fundador foi o introdutor das CEBs no município e seu sucessor na paróquia expandiu-as além de Aratuba. Refiro-me aos párocos José Maria e Moacir Cordeiro Leite

CNEC e Joacy - Arquivo Aratuba Online

Ambos tiveram relação direta com a história cenecista aratubense, sendo que o último teve grande influência e divergência com a política partidária local. Mas não é possível negar que a CNEC tinha sua bandeira política até porque era visível e assim conflitou com outros interesses partidários existentes no município. Dentro da sala de aula no Monsenhor José Barbosa se ensinava Português, Matemática, Ciências, História, Geografia, por certo tempo, OSPB e Educação Moral e Cívica, Religião e depois a introdução do Inglês no 1º Grau e muitas vezes se recebia livros didáticos. A dificuldade maior era no 2º Grau(Ensino Médio) com ausência de livros e dependência total do professor copiando o conteúdo no quatro para o aluno dificultando o aprofundamento do assunto. No 2º Grau Científico as disciplinas eram Português, Matemática, História, Geografia, Física, Química, Programa de Saúde, Biologia, Inglês, Literatura e Arte

Desfile CNEC 1980- Arquivo Aratuba Online

Alguns professores eram leigos, pois não tinham nível superior e outros que eram formados não possuíam formação específica e pedagógica para atuar em sala de aula. Desafios que a CNEC ia vencendo do jeito que podia. Sem contar que a “rivalidade” CNEC e Joacy não ficava apenas no âmbito dos desfiles estudantis, infelizmente se estendia ao conhecimento acadêmico. Os alunos do Joacy faziam um exame de admissão para entrarem no ginasial e na CNEC tal exame não existia e disso se concluía que o ensino da CNEC era inferior ao da Escola Estadual. E com todas as dificuldades da CNEC os alunos se envolviam nos trabalhos, gincanas, desfiles, folclore, formação de grêmios e nas festas de colação de grau e religiosas. 

Desfile estudantil da CNEC - Arquivo Aratuba Online

Numa época sem transporte, docentes leigos, sem material didático suficiente, sem FUNDEB, mas com muita garra, principalmente dos professores, muitos que passavam o dia trabalhando e à noite corriam ao Monsenhor José Barbosa para ensinar com um salário atrasado e sem dia certo para receber, mas eles estavam lá para dar o melhor de si. 

Desfile estudantil da CNEC - Arquivo Aratuba Online

Em Aratuba o “corpo” da CNEC deixou de existir mas a “alma” cenecista está muito presente. Como disse um aluno e professor da CNEC e hoje Diretor de Escola Nucleada, Jerly dos Santos: “Quem foi aluno da CNEC, hoje é autônomo e seguro de si, penso que esta é uma característica de um cenecista.” A força cenecista foi vista nos últimos anos durante os festejos do aniversário dos 39 anos do município em 1998 quando aconteceram várias competições de jogos, maratonas, ciclismo, salto em altura e distância entre as escolas Monsenhor José Barbosa, Escola Maria Júlia e Escola Joacy Pereira. E no quadro final a CNEC desbancou as Escolas Joacy Pereira e Maria Júlia com 3 troféus e 23 medalhas, entregues na própria quadra da CNEC. 

Valber (Aratuba Online)


As fontes de água de Aratuba fazem parte das bacias Metropolitana e do Rio Curu, sendo as principais fontes os rios do Aracaju, dos Tavares, o Rio Putiú (afluente do Rio Aracoiaba) e o Rio Pesqueiro, que deságua no Açude Pesqueiro (com barragem em Capistrano), bem como riachos tais quais o dos Barros, Bom Jardim, do Cedro, Esterteal, Furna da Onça, da Lagoa Nova e Salgadinho.

Aratuba em dia de muita chuva

Aratuba localiza-se no Maciço de Baturité, a uma altura média de novecentos metros acima do nível do mar, possuindo o núcleo urbano mais alto do estado do Ceará (a sede do município localiza-se a 945 metros de altura). Possui relevo bastante acidentado, sendo a principal elevação o Serrote da Benedita.


O ecoturismo é uma importante fonte de renda do município, devido às suas atrações naturais como a Reserva Ecológica de Aratuba e Reserva do Brejo.
Outra atração é a arquitetura da cidade, com as capelas do Tope e de Santa Rita, a Igreja Matriz São Francisco de Paula, a Casa de Cultura, a Casa Paroquial, o Engenho da Pindoba e a Mansão da Família Pereira.


Foto de 2008

O primeiro instrumento de apoio eclesial, preponderantemente destinado a reunir na povoação as características sociais de urbanismo, nasceu com a ideia de se erigir no reduto a sua capela. Houve como preferente hierático São Francisco de Paula. Essa ideia prosperou, reuniu adeptos, de sorte que em 1883, edificava-se a primitiva capela. No ano seguinte, graças ao florescente progresso religioso, criou-se a Freguesia cuja instalação data de 8 de janeiro de 1884, tendo como órgão subordinante o bispado de Fortaleza.

2008

O Governo Estadual tem no município os seguintes postos: Centro de Saúde Aratuba (Clínica médica), Posto de Saúde do Pai João (ambulatório para atendimento básico), Posto de Saúde de Jardim, (ambulatório para atendimento Básico), Posto de Saúde Serra Verde (ambulatório p/ atendimento básico), Posto de Saúde Mundo Novo, Posto de Saúde Cantinho. Há também o Ambulatório mantido pelo Sindicato do Trabalhadores Rurais de Aratuba, e o Ambulatório da LBA/ SOC/ de proteção à criança pobre de Aratuba.


Fontes: http://www.ceara.com.br, Wikipédia, IBGE e  Site Aratuba Online

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Parabéns Ceará



O Estado do Ceará comemora 214 anos de autonomia da Capitania de Pernambuco nesta quinta-feira, 17. Para celebrar a data, a Secretaria de Cultura (Secult), realiza uma série de ações durante todo o dia. A programação será realizada simultaneamente em Aquiraz, que foi a primeira capital do Estado, e Fortaleza.

O primeiro ato ocorre às 9h, na Praça da Matriz, em Aquiraz, com a presença do governador em exercício, Domingos Filho, e do titular da Secult, Francisco Pinheiro

Dia do Ceará - 17 de Janeiro de 2013. 

Aquiraz

9h00  -- Abertura oficial da programação alusiva ao Dia do Ceará
              - Hasteamento das bandeiras
             - Apresentação da Banda Música de Aquiraz – Execução do Hino de Aquiraz
             - Apresentação da Banda de Música da Polícia Militar – Execução Hino do Ceará
              - Apresentação artística de Rodolfo Forte – Execução, com acordeon, do Hino Nacional
           -  Pronunciamentos do Secretário de Cultura de Aquiraz - do Prefeito Municipal – do Secretário de Cultura do Estado e do Governador do Estado
10h00 - Visita guiada as obras de restauração da pintura do forro da Capela Mor da Igreja de São José de Ribamar
9h00 às 17h00 - Visitas guiadas ao Museu Sacro de Aquiraz
                             – Exposição de trabalhos produzidos em marchetaria pelo artista Sílvio Rabelo com temas sobre o Ceará do jangadeiro, Ceará religioso e literato. Anexo do Museu de Aquiraz
18h30 - Missa na Igreja São José de Ribamar
Festa de São Sebastião (Padroeiro de Aquiraz)


Fortaleza

Museu do Ceará

18h30 – Roda de Toré com os Índios Tapeba
19h00 – Mesa de abertura: Cristina Holanda (Museu do Ceará), Sílvia Barbosa (ADELCO – Associação para o Desenvolvimento Local Co-produzido) e Leno Farias (RENAFRO – Rede Nacional de Religiões de Matriz Africana e Saúde)
19h30 – Apresentação das exposições fotográficas “Echaporã” (Mayara Melo) e “Festa de Terreiro” (Salvino Lobo)
20h20 – Coquetel de abertura das exposições “Echaporã” e “Festa de Terreiro”. Apresentação do Afoxé Oxum Odolá.

Sobrado Dr. José Lourenço

09h00 às 17h00 - Visitas mediadas às exposições "Goiabeiras - Outros Mares" , do fotojornalista Dário Gabriel e "Da Cor do Norte - Brinquedos de Miriti", do fotógrafo Jarbas Oliveira.
10h00 – Oficina: Confecção de porta-retratos artesanais com Geórgia Viana
14h00 – Cine Clube Especial Dia do Ceará -
- A Arte Encantada de Luiz Hermano
- Perfil Sérvulo Esmeraldo
- Com o Oceano Inteiro para Nadar - Leonilson
- Grandes Personagens: Efraim Almeida
16H00 – Cafe Fotográfico em celebração ao Dia do Ceará com Dario Gabriel e Jarbas de Oliveira

Theatro José de Alencar

09h00 - Abertura de Portas com audição do Hino do Ceará
09h00 – 10h00 – 11h00 – 12h00 – 14h00 – 15h00 – 16h00 – 17h00 – Visita guiada ao TJA * No horário das 15h00 o guia é o bailarino Hugo Bianchi
09h00 às 17h00 – Saguão do TJA: Ceará em livros – Para consulta no local, publicações da SECULT
14h00 – Palco principal – Projeto Respeitável Público apresenta Teatro: “Heróis do Papelão", do Grupo Formosura
15h00 – Palco principal: Projeto Respeitável Público apresenta Dança “Primavera Flamenca” do Grupo Tablado
16h00 - Jardim do TJA – Projeto respeitável Público apresenta Música -"Grupo Quinteto Agreste
18h00 – Saguão do TJA – Hora do Angelus – Tenor Franklin Dantas canta Ave Maria
18h10 – Palco principal – Violonista Marco Leonel Fukuda inicia temporada de lançamento do seu segundo CD “Jornada


Fonte: Edimar Bento e Secult

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Lampião de Iguatu



Férias escolares. Entre meus 13 e 15 anos de idade. Viajava com tio Joanito. Ele inspecionava serviços de seu trabalho em cidades do Interior e eu aproveitava para conhecer novas terras, gentes e costumes. Certa feita, o destino foi o Açude Poços de Pedras, em Campos Sales, com permanência de três dias no Iguatu.

Durante o labor de tio Joanito, minha estada deu-se na casa de outro tio - o Pedrinho -, funcionário do Ministério da Agricultura e responsável pelo escritório do Campo Experimental de Irrigação do Bugi. Zé Humberto, um dos primos e de minha idade, em férias do Seminário do Crato, fez-se cicerone. De batina preta do pescoço aos pés, sob um Sol abrasador, desmanchando-se em suor, alegrava-se por ser meu guia. Vestir trajes não clericais, nem pensar. Seminaristas locais o denunciariam. E adeus ao sonho do papado. Batemos pernas por todo o centro da cidade. Aqui e acolá, ele me mostrava os principais locais públicos. Igrejas, praças, casas comerciais, de diversões e de serviços. Conheci a única alfaiataria. Propriedade de Mané Magro. E uma história ali passada. Caboclo rude, com alforje descosturado, entra e diz que seu patrão queria o reparo já, já. Informou haver ele cuspido no chão e, antes do cuspe secar, queria-o de volta, com o apetrecho consertado. Mané disse-lhe ser alfaiate, não sapateiro. E que seu patrão mandou-o bater em porta errada. "Pois isso! Dou o recado de vosmicê a Seu Belchior!".  Ao ouvir, Mané, de pronto, falou: "Homi de Deus! Pru que não disse logo de quem? Pra seu Belchior faço inté gibão! Decá a incumenda!". Belchior era tido e havido como o Lampião de Iguatu.

Geraldo Duarte
(Advogado e Dicionarista )

Imagem Cariri Cangaço