Assim como no blog Fortaleza Nobre, vou focar no resgate do passado do nosso Ceará.
Agora, não será só Fortaleza, mas todas as cidades do nosso estado serão visitadas! Embarque você também, vamos viajar rumo ao passado!

O nome Ceará significa, literalmente, canto da Jandaia. Segundo o escritor José de Alencar, Ceará é nome composto de cemo - cantar forte, clamar, e ara - pequena arara ou periquito (em língua indígena). Há também teorias de que o nome do estado derivaria de Siriará, referência aos caranguejos do litoral.

.

sábado, 22 de março de 2014

Doutor Batérico


Rua Floriano Peixoto - Arquivo Fortaleza Nobre

"Rua Floriano Peixoto. Foto Ideal, propriedade do senhor Raimundo do Vale.
Defronte, com o cartaz Vende-se”, estava à joia. Jeep Willys, 1951, todo original. Parecia saído da fábrica, mesmo passada uma vintena. Adquiri-o.

No lado direito do painel, em plaqueta de alumínio, cravada, o registro do fabricante. Willys-Overland Motors, Inc. e as características do veículo.

Mais tarde, soube que a documentação registrava aquele ano porque fora o da data de venda pelo representante local. Em verdade, o fabrico teria sido entre 1942 e 1945, com base nas informações técnicas da plaquinha.

O jipinho foi um todo alegria. Parceiro de pescarias e passeios. Onde estacionava, surgiam curiosos com propostas de compra.

Certo dia, velocímetro e odômetro pararam de funcionar. Por contar milhas e não quilômetros, aparelho idêntico inexistia no mercado. Indicaram-me alguém que o poderia consertar. Então, conheci o Doutor Batérico*.

Em pequena oficina, na rua Meton de Alencar (Foto ao lado), reparava tais componentes e baterias.
Estatura mediana, alvacento, meio gordo e bem humorado. Dizendo que não via igual há muito, retirou-o do encaixe e desmontou-o, carinhosamente, na bancada.

Durante o trabalho, não parou de contar lorotas. Mesclando-as, sempre, com fatos e pessoas reais.

Pianista amador do programa radiofônico local, do passado, “A Hora da Saudade – Coisas que o Tempo Levou”, usou sua arte para fanfarronar. Dizia-se amigo de Mussolini, Franco e Stalin. E, ao primeiro, haver ensinado alguns artifícios pianísticos. Isso, sem jamais ter saído de Fortaleza. E, graças a Deus, nenhum daqueles sanguinários ditadores terem pisado na terrinha.

Jurava manter contatos com extraterrestres, inclusive, a convite deles, ter visitado a Lua, Vênus, Marte e cercanias estelares.

Garantia que um ex-comandante da Base Aérea acordara-o, em alta madrugada, para secretamente ir até aquela Unidade Militar e reparar a pane ocorrida em um disco voador visitante. Solução imediata. Logo a nave deu-se ao cosmo.

Repentinamente, parou o serviço, olhou-me e, vendo-me fardado, falou: “Tenente, o alto comando das Forças Armadas encomendou-me e eu estou montando um instrumento, de várias utilidades. Uma, das muitas, faz soldados tornarem-se invisíveis.".

Ante a um leve sorriso meu, veio dele o complemento: “Você não acredita, né? Pois, desde sua chegada, uma dúzia de testadores da minha invenção já entrou e saiu daqui.”.

Dr. Batérico fez-se personagem popular, famoso e querido em nossa Capital, devido à capacidade profissional e as absurdas e jocosas histórias que contava de forma compenetrada.

Chamava-se José Afonso Lima. Faleceu em 22 de julho de 2000, aos 95 anos de idade, vítima de hemorragia digestiva. Está sepultado no Cemitério São João Batista.

Jamais me esqueci daquela alegre manhã. Nem de outras façanhas daquele gozador bem humorado, narradas pela imprensa.

Ah! quanto ao meu também inesquecível “Truck ¼ Ton 4x4”, o pequeno herói da Segunda Grande Guerra? Tantos somaram nossos feitos que, se escritos, facilmente, comporiam incontáveis páginas de volumoso livro."

Geraldo Duarte 
 (Advogado, administrador e dicionarista).


* Em 22 de julho de 2000, morre, em Fortaleza, vítima de hemorragia digestiva, aos 95 anos de idade, José Afonso Lima, o conhecido Dr. Batérico, pianista da antiga Hora da Saudade, depois Coisas que o Tempo Levou e tinha uma oficina de recuperação de baterias na Rua Meton de Alencar.
Era famoso também por suas mentiras que contava, principalmente nos dias 1º de abril.
Foi sepultado no Cemitério de São João Batista. (Cronologia Ilustrada de Fortaleza de Miguel Ângelo de Azevedo).

Memória

Histórias dos anos 50


"No programa Noites Cearenses, produzido e apresentado por Augusto Borges, o entrevistado era o Doutor Batérico, famoso por suas histórias curiosas, como aquela do cajueiro que estava tão velho, tão velho e caducando, que em vez de caju, estava dando manga...

No programa ele se reportava a uma viagem que fizera ao Planeta Vênus e, quando exibia uma camisa comprada lá e ia dizer seu nome, o Augusto conseguiu uma fórmula para impedir:

- Sim, doutor Batérico, mas a nave voltou sã e salva?

O doutor Batérico, como o maior contador de histórias do Norte e Nordeste (tudo aqui que é melhor é do Norte e Nordeste, não é mesmo?), tinha uma capacidade incrível de improvisação, e, nessa qualidade, deu logo a resposta para o Borges, que ele entendeu mal ou quis se fazer de mal-entendido:

- Fundiu-se, doutor Batérico?
- Não, Augusto, f... mesmo!”


Do livro “Senhoras e Senhores” de Narcélio Limaverde


Nenhum comentário:

Postar um comentário